Imagem: Lesly Juarez/Divulgação

Já tratamos desse tema no nosso blog, mas a procura pelo preenchimento labial com ácido hialurônico justifica que o assunto ganhe sempre novas abordagens. E não é para menos. O receio em como garantir a recuperação do volume na medida certa é mais do que legítimo. É preciso uma discussão muito lúcida para que o resultado fique o mais harmônico e natural possível.

Por isso, algumas dicas são superimportantes para que o paciente tenha um ponto de partida mais confortável na hora de falar sobre o assunto com seu médico. A cosmiatria, especialidade da dermatologia que estuda e trata a beleza (e, consequentemente, a autoestima), tem suas subjetividades. O que não quer dizer, claro, que seja um campo de experimentações. Ao contrário, há muita ciência por trás de cada novidade que ela apresenta. Mas há também a “arte da pele” influenciando os resultados.

Veja o que é importante saber:

Em que região dos lábios é mais indicado fazer o preenchimento? – Desde que numa quantidade bem dosada (por isso é tão importante confiar na habilidade e experiência do médico dermatologista), a aplicação tanto nas laterais quanto o centro dos lábios pode resultar num aspecto bonito e natural. O lábio volta a ter seu contorno original e, dependendo do caso, não há necessidade de agir nas duas regiões. A medida é esse retorno à forma que os lábios têm. E uma informação: o processo natural de envelhecimento atua, nos lábios, com uma perda das laterais para o centro.

É preciso anestesia? – Sim. Ela garante que o procedimento, embora simples e realizado no próprio consultório, não seja desagradável ao paciente.

Vale comparar? – De certa forma, sim. A relação entre o médico e o paciente pode incluir também esse tipo de análise, a do “antes e depois”. Inclua fotos da região nesse processo. É satisfatório ver como mudanças sutis fazem toda a diferença.

Muita conversa – Não tenha receio de investigar bastante. Pergunte, se informe. É muito importante que o médico converse com seu paciente a fim de ter mais recursos para avaliar a necessidade de repetir ou não à aplicação. Isso garante que todas as expectativas do paciente sejam supridas, sem alterar seus traços originais.
Um procedimento, várias técnicas – O preenchimento labial com ácido hialurônico se utiliza de diferentes equipamentos. A agulha e a chamada cânula – um pequeno tubo adaptável a diversos instrumentos cirúrgicos e seringas – são duas delas. É o auxílio desses equipamentos complementares que garantem a individualização de cada preenchimento para cada caso.

Qual tipo de preenchedor usar? – Isso depende de cada caso, da área a ser preenchida e da expectativa do paciente. Existem preenchedores mais firmes e concisos, que estruturam e sustentam melhor; e outros mais finos e maleáveis, que moldam melhor e fazem um “acabamento” mais sutil, natural e harmônico.

Seu rosto em 3D – A Clínica Luciana Maluf se utiliza dessa tecnologia para aprimorar a análise do rosto do paciente. “Estudar” a face em 3D ajuda a identificar o que está incomodando e a descobrir o que realmente falta preencher ou reposicionar.